A Poética da Razão revisitada

Realizada entre 3 de Outubro e 2 de Dezembro de 2019, A Poética da Razão foi a 5ªedição da Trienal de Arquitectura de Lisboa que teve como curador geral o arquitecto e académico francês Éric Lapierre. Dois meses de uma intensa programação cultural que colocou a cidade no mapa dos grandes eventos internacionais de arquitectura. Durante 61 dias, os principais museus de Lisboa receberam cinco exposições centrais, um ciclo de conferências, três prémios, um concurso e dez projectos associados.

Economia de Meios © Fábio Cunha

Marcou-se presença nos seus mais variados pontos da cidade, de Ocidente a Oriente, em museus como o MAAT, com a exposição Economia de Meios por Éric Lapierre; o CCB – Garagem Sul, com Agricultura e Arquitectura: Do Lado do Campo, de Sébastien Marot; o Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), Espaço Interior curado pela dupla Mariabruna Fabrizi e Fosco Lucarelli; a Culturgest onde foi apresentada O que é o Ornamento? de Ambra Fabi e Giovanni Piovene, e, por fim, no Palácio Sinel de Cordes, onde se instalou Beleza Natural, de Laurent Esmilaire e Tristan Chadney. Um quinteto expositivo que permitiu uma reflexão em profundidade em torno da racionalidade que partiu de uma alargada investigação sobre a produção arquitectónica e suas as narrativas para um maior entendimento da arquitectura.

Agricultura e Arquitectura: Do Lado do Campo © Ana Guedes
Modelo suspenso baseado nos desenhos de Gaudí para a igreja da Güell Colon © Fábio Cunha

Toda a equipa curatorial das exposições é docente na universidade francesa École National Supérieur d’Architecture de la ville & des territoires de Paris-Est que desenvolveu trabalho em múltiplas frentes, desde um trabalho de pesquisa, o redesenho de plantas de obras emblemáticas na história da arquitectura, passando ainda pela criação de maquetas. As cooperações internacionais alargaram-se ainda a outras instituições académicas como o Piet Zwart Institute (Roterdão), MIARD (Roterdão) e a escola suíça EPFL.

Espaço Interior © Fábio Cunha
O que é o Ornamento? © Fábio Cunha

A diversidade do programa alargou-se pela integração de dez Projectos Associados que aconteceram em vários momentos ao longo da edição, convidando a população a ser parte integrante de almoços comunitários, revisitar conventos com instalações temporárias ou experimentar a dinâmica de um ginásio de boxe. 

Numa abordagem didática multifacetada, apelou-se à participação de vários grupos etários, o serviço educativo implementou um conjunto de actividades como forma de chegar a escolas, profissionais da área ou simples curiosos. As actividades foram desenvolvidas em parceria com as instituições co-produtoras das exposições, e reuniram especialistas de vários quadrantes da cultura incluindo autorias emergentes seleccionadas a partir de um open call internacional apoiado pela união Europeia. Como resultado desta selecção, cada colectivo ou individual emergente concebeu e implementou uma actividade relacionada com um dos temas das cinco exposições nucleares, desde jantares performáticos, a debates com a comunidade universitária ou a workshops para construção de estruturas. 

Beleza Natural © Hugo David

Com base numa forte identidade assente na letra T, a cargo do designer Marco Balesteros, esta edição contou com um sistema gráfico visual reconhecível por toda a cidade. E para se tornar também reconhecível entre os grupos de autores que participam na disciplina, a Trienal voltou a implementar as conferências Talk, Talk, Talk. Três dias de debates intensos com convidados relevantes da arquitectura e do pensamento teórico e prático, que culminaram com debates informais regados com um copo de vinho. 

Este apelo à participação de todos desmultiplicou-se pelos eventos que foram acontecendo na 5ª edição e revelou-se imperativo também nos co-produtores, cujo papel foi reforçado, assim como  o de parceiros e fundos internacionais. De 2016 para 2019 a Trienal cresceu, assim como o número de entidades e instituições das mais variadas proveniências, num total de 64, que se juntaram a esta aventura e contribuíram para pôr de pé um programa plural que promoveu a difusão da cultura arquitectónica além fronteiras. 

 

Colecção de Livros Trienal 2019 © Trienal de Lisboa / Ana Guedes

Terminada A Poética da Razão, ficam todas estas memórias, bem como a colecção de livros de bolso, que foi publicada em parceria com a Polígrafa, a editora sediada em Barcelona, também representa um legado intemporal que pode ser encontrado em livrarias especializadas espalhadas pelo mundo. Uma aposta muito bem sucedida que nos levou a segunda reimpressão do livro Taking the Country’s Side: Agriculture and Architecture, da autoria do filósofo Sébastien Marot. A Poética da Razão teve o programa nuclear mais extenso de sempre, contando com 549 participantes e uma adesão que ultrapassou os 95 mil visitantes.. Por isso, queremos agradecer a todas as pessoas que contribuíram de forma directa e indirecta nesta Trienal 2019.

Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.