Economia de Meios

Economia de Meios sugere o desafio de usar apenas um meio para múltiplos fins, investigando o que faz desta categoria uma marca e uma pré-condição para uma arquitectura racional. É uma verdade universalmente reconhecida, saber que os recursos de todos os tipos, de forma global, devem ser usados com maior consciência e cuidado, situação que o século XXI torna mais premente. Ao reduzir os meios – materiais, económicos e conceptuais – a que recorrem a um projecto de construção, os arquitectos exploram os limites e a definição da própria arquitectura.

OMA Rem Koolhaas, Très Grande Bibliothèque (TGB), plan, Paris, 1989. © Centre Pompidou, Paris.

A economia de meios é uma categoria estética mas também uma ferramenta de criação que permite imaginar e avaliar resultados. Está no cerne de todo o design relevante, qualquer que seja o suporte. No seu sentido mais vulgar, representa uma prática que usa o mínimo de recursos para atingir um fim específico. Para além disso, associamo-la a qualquer atitude que se baseie numa abordagem crítica aos meios utilizados para criar alguma coisa. Economia de meios pode dizer respeito tanto ao processo como aos resultados. É uma investigação da forma em todas as suas dimensões. A forma é o horizonte de qualquer actividade humana elevada ao mais alto nível de concretização. A economia de meios é o ADN das boas formas. A arquitectura consiste em definir a boa forma de um edifício. O uso de poucos meios cuidadosamente pesquisados permite que os arquitectos forneçam significado e inteligibilidade aos seus edifícios.

Concebida através de exemplos tanto contemporâneos como históricos, esta exposição multissensorial explora as formas inovadoras pelas quais os autores são guiados para soluções mais responsáveis, éticas, sustentáveis ​mas também mais belas, para desafios locais e globais, bem como intersecções entre arquitectura e outras artes visuais.

Curador
Éric Lapierre (FR)
Eric Lápierre, curador geral da 5ªEdição da Trienal de Arquitectura de Lisboa e curador da exposição Economia de Meios
Éric Lapierre é arquitecto e teórico da disciplina. Fundador e director da Éric Lapierre Experience (ELEx) - com obras amplamente reconhecidas mundialmente – divide a sua actividade entre a área de projecto e o ensaio crítico. Lapierre é professor na Escola de Arquitectura de Marne-la-Vallée (Paris), na Escola Politécnica Federal de Lausana e foi professor convidado na Accademia de Arquitectura do Mendrisio, Universidades do Québec e Montreal, Lovaina e Gante. Ao longo do percurso já publicou diversos livros. ou É autor de “Identification d’une ville – Architectures de Paris”, 2002; Guide d’architecture de Paris 1900-2008, 2008; Le Point du Jour A Concrete Architecture, 2011; Architecture of The Real, 2004, e Se la forma scompare, la sua radice è eterna, 2017, entre outros.
Assistente Curatorial
Claudia Mion (IT)
Arquitecta e co-fundadora da editora de livros francesa Cosa Mentale. Formada pela Universidade de Veneza, o seu percurso abrange várias áreas profissionais ligadas à arquitectura: colaborou com a fotógrafa de arquitectura Hélène Binet em Londres, trabalhou no Studio Mumbai na Índia e no atelier Silvia Gmür Reto Gmür em Basileia. Desde 2018 é professora assistente na Escola Superior Nacional de Arquitectura de Marne-la-Vallée, em Paris.
Participantes
AAT+ Makoto Yokomizo, Abalos+Sentkiewicz, Adam Khan, Adolfo Scaranello, Aires Mateus, Álvaro Siza, Andre Branzi (Archizoom), André Tavares, Anna & Eugeni Bach, Atelier Kempe Thill, Atelier Provisoire, Barbas Lopes, Barrault Pressacco, Baukuh, Bearth & Deplazes, Brandlhuber +, BRUTHER, Burbouze & Graindorge, Carrilho Da Graça, Caruso St John Architects, Christ & Gantenbein, Christian Kerez, Conradin Clavuot, DATA, De Vylder Vunck Taillieu, Diogo Aguiar, Elisa Valero, Florian Beigel & Philip Christou, Frank Gehry, Gigon/Guyer, Gion Caminada, Go Hasegawa, Gonçalo Byrne, Harquitectes, Herzog & De Meuron, Jaume Bach + Gabriel Mora, Jean Nouvel, Johnston Mark Lee, Junya Ishigami, Kazuyo Sejima, Knapkiewicz & Fikert, l’AUC (Caroline Poulin Djamel Klouche François Decoster), Lacaton Vassal, LIST (Ido Avissar) Lütjens Padmanabhan, Marc Mimram, Miller & Maranta, Miroslav Šik, Monadnock, Norman Foster +Partners, Obvie, OFFICE KGDVS, Olivier Malclès, OMA Rem Koolhaas, Peter Märkli, Peter Zumthor, Pezo von Ellrichshausen, Piovenefabi, Renzo Piano Building Workshop, Roger Diener, Rogers Stirk Harbour + Partners Rudi Ricciotti, SANAA, Sergison Bates, Seyler & Lucan, Silvia Gmür Reto Gmür Architekten, Studio Anne Holtrop, Studio Mumbai, Ted’A Arquitectes, Tony Fretton, Toyo Ito, Valerio Olgiati, Yellow Office
Artistas Representados
Albert Frey, Aldo Van Eyck, Alison and Peter Smithson, Alvar Aalto, Anatole de Baudot, Andrea Palaldio, Antonin Artaud, Asnago Vender, Auguste Perret, Bernard Rudofsky, Bernd and Hilla Becher, Carlo Mollino, Carlos Martí Arís, Charles Moore, Charlotte Perriand, Chris Marker, Claude Lévi-Strauss, Claude-Nicolas Ledoux, Colin Rowe, Cornelius Meyer, Daly César, Donato Bramante, Élie Lotar, Ernst May, Felix Candela, Fernand Pouillon, Fernando Tavora, Filippo Brunelleschi, Francesco Borromini, Francesco di Giorgio Martini, Frank Lloyd Wright, Fred Koetler, Geoffrey Bawa, George Henri Pingusson, Georges Candilis, Giancarlo De Carlo, Gio Ponti, Giovanni Battista Piranesi, Giuseppe Terragni, Gottfried Semper, Gunnar Asplund, Hannes Meyer, Hans Bernouilli, Henri Labrouste, Ignazio Gardella, Jacobus Johannes, James Stirling, Jean François Neufforge, Jean Prouvé, Jean-François Zevaco, Jean-Nicolas-Louis Durand, John Hejduk, John Soane, Johnatan Woolf, Josep Marìa Jujol, Joseph Paxton, Jules Hardouin-Mansart, Juliaan Lampens, Karl Friedrich Schinkel, Kazuo Shinohara, Konstantin Melnikov, Le Corbusier, Lina Bo Bardi, Livio Vacchini, Lois Welzenbacher, Louis Kahn, Ludovico Quaroni, Marcel Breuer, Marcel Duchamp, Margarete Schütte-Lihotsky, Mario Ridolfi, Mart Stam, Mies van der Rohe, Moïsseï Ginzbourg, Oscar Niemeyer, Otto Rudolf Salvisberg, Philibert De l’Orme, Philip Johnson, Pier Luigi Nervi, Pierre Le Muet, Pieter Oud, Raymond Roussel, René Magritte, Robert Venturi, Rudolf Olgiati, Rudolf Schwarz, Sebastiano Serlio, Shadrach Woods, Sigurd Lewerentz, Stanley Tigerman, Viollet-le-Duc, Vitruvius, Vladimir Bodiansky, Walter Benjamin, Walter Gropius.
Fotógrafos
Adrià Goula, Agnès Clotis, Alberto Flammer, Antoine Espinasseau, Atelier XYZ, Bass Princen, Damien Roussel, Daniel Malhão (DMF), David Grandorge, Eric Staudenmaier, Erica Overmmer, Fernando Guerra / FG+SG Fotografia de Arquitectura, Filip Dujardin, Giorgio Azzariti, Goran Potkon Hélène Binet, Javier Callejas, Jean-Christophe, Garcia Jeroen Verrecht, José Hevia, Julien Hourcade Lluís Casals, Mateusz Zaluska, Maxime-Delvaux, Nicolò Galeazzi, Paolo Rossel, Philippe Ruault, Ralph Feiner, Stefano Graziani, Ulrich Schwarz
Cedência de Conteúdos
Institute for the History and Theory of Architecture(gta) Zurich, Switzerland, USI Accademia di architettura di Mendrisio, Switzerland, Museu da Música Mecânica, Pinhal Novo, Portugal
ACTIVIDADES
Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.